Portal Sal da Terra

Notícias Mundo Cristão

Suprema Corte dos EUA decide que treinador demitido tem direito de orar em campo

A decisão de 6 a 3 foi uma vitória para Joseph Kennedy, que alegou que o Distrito Escolar de Bremerton violou sua liberdade religiosa

Suprema Corte dos EUA decide que treinador demitido tem direito de orar em campo
Reprodução
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Suprema Corte concedeu uma grande vitória nesta segunda-feira (27) a um ex-treinador de futebol americano do ensino médio de Washington que perdeu o emprego por recitar uma oração na linha de 50 jardas após os jogos.

A questão era se um funcionário da escola pública orando sozinho, mas em vista dos alunos, estava se engajando em um “discurso do governo” desprotegido e, se não for um discurso do governo, ainda representa um problema sob a Cláusula de Estabelecimento da Primeira Emenda . 

“Aqui, uma entidade governamental procurou punir um indivíduo por se envolver em uma observância religiosa breve, silenciosa e pessoal duplamente protegida pelas cláusulas de livre exercício e liberdade de expressão da Primeira Emenda. Uma visão equivocada de que tinha o dever de descobrir e suprimir”, escreveu o juiz Neil Gorsuch na opinião do Tribunal. “As observâncias religiosas mesmo quando permitem um discurso secular comparável. A Constituição não exige nem tolera esse tipo de discriminação.”

Joe Kennedy foi treinador principal do time do colégio júnior e treinador assistente do time do colégio no Distrito Escolar de Bremerton em Washington de 2008 a 2015. Ele começou a fazer uma oração pós-jogo sozinho, mas eventualmente os alunos começaram a se juntar a ele. De acordo com documentos judiciais, isso evoluiu para discursos motivacionais que incluíam temas religiosos. Depois que um treinador adversário chamou a atenção do diretor, o distrito escolar disse a Kennedy para parar. Ele o fez, temporariamente, depois notificou a escola que retomaria a prática.

A situação chamou atenção da imprensa e, quando Kennedy anunciou que voltaria a orar em campo, levantou preocupações de segurança. Quando ele orou depois do jogo, várias pessoas invadiram o campo em apoio.

O distrito escolar então se ofereceu para deixar Kennedy orar em outros locais antes e depois dos jogos, ou para ele orar na linha de 50 jardas depois que todos os outros tivessem deixado o local, mas ele recusou, insistindo que continuaria sua prática regular. Depois de continuar as orações em mais dois jogos, o distrito escolar colocou Kennedy em licença.

Durante os argumentos orais, o juiz Clarence Thomas questionou como a oração poderia ser vista como discurso do governo, dada a veemência e oposição pública do distrito escolar à oração.

O advogado de Kennedy, Paul Clement, argumentou perante o tribunal que demiti-lo era uma clara violação constitucional porque não apenas Kennedy estava envolvido em um discurso privado – não governamental –, mas que a escola estava “agindo precisamente porque o discurso é religioso”.

A juíza Elena Kagan expressou preocupação durante os argumentos de que, como técnico que determina o tempo de jogo dos jogadores, as orações de Kennedy poderiam ter um efeito coercitivo sobre os alunos. De fato, uma decisão de primeira instância observou que o diretor foi contatado por um pai que disse que seu filho “se sentiu compelido a participar” da oração apesar de ser ateu, porque “ele sentiu que não conseguiria jogar tanto se não não participe.”

Clement rejeitou esse argumento, afirmando que o distrito escolar nunca levantou essa questão como motivo para disciplinar Kennedy.

FONTE/CRÉDITOS: Gazeta Brasil

Veja também