Portal Sal da Terra

Coluna/Opinião

Bem-aventuranças: características do cristão verdadeiro

As bem-aventuranças proferidas por Jesus são as características inerentes a um autêntico cristão.

Bem-aventuranças: características do cristão verdadeiro
Site Música sacra e adoração
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A palavra “bem-aventurado” aparece diversas vezes na Bíblia, principalmente nos livros de Jó, Salmos, Provérbios e Cantares. Os textos mais conhecidos no Antigo Testamento, onde este adjetivo aparece são os Salmos 1.1: “Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores", e o Salmo 128.1: “Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos!” 

Em hebraico, a palavra traduzida por bem-aventurado é “Ashar”. Segundo o dicionário bíblico de James Strong, significa “equilibrado, correto, feliz, honesto, próspero, abençoado, feliz, que anda direito''. 

A versão grega Septuaginta, traduziu “Ashar” pelo termo grego “Makarios”, que é um prolongamento de “Makar”, cujo significado é “feliz, alegre, abençoado”. Portanto “Makarios” significa todos estes adjetivos de forma prolongada. Para os gregos, “Makarios” (Bem-aventurado) significava “viver livre de sofrimentos e preocupações”. Os judeus, no entanto, consideravam a “Ashar” (bem-aventurados) aquele que tinham bem estar material e eram recompensados por obedecer à Lei do Senhor. 

No latim, a palavra "beatitude" origina-se do latim "beatitudo", que por sua vez, é substantivo derivado de "beatus" (feliz). "Beatitudo", portanto, é o correspondente latino do grego "makarios" e significa bem-aventurança, estado de plenitude e de felicidade profunda, resultante da presença de Deus e da certeza da vida eterna. 

Para Jesus, bem aventurados são aqueles que são fiéis a Deus em quaisquer circunstâncias e recebem as bênçãos da salvação. As bem-aventuranças não são algo que o homem conquista, com os seus próprios esforços e méritos. Refere-se ao estado do homem que anda em retidão com Deus. 

Na primeira parte do Sermão do Monte, Jesus citou uma lista de oito bem-aventuranças em Mateus 5.1-12 e as respectivas razões de cada uma delas: 

 

  • Os pobres de espírito (v.3). Os pobres de espírito são os humildes, que reconhecem a sua pobreza espiritual e total dependência de Deus. Jesus disse que, deles é o Reino dos Céus. 
  • Os que choram (v.4). Os que choram aqui, não são as pessoas consternadas, que choram por qualquer motivo. Jesus se refere ao choro de arrependimento, pela nossa condição de pecadores. A razão desta bem aventurança é que eles serão consolados. Aqueles que se arrependem são perdoados por Deus e Ele limpará dos nossos olhos toda lágrima (Ap 21.4).
  • Os mansos (v.5). Os mansos não são fracos ou covardes. A mansidão refere-se a uma serenidade, ou força sob controle. É uma das virtudes do Fruto do Espírito e uma das características de Jesus (Mt 11.29), que deve ser aprendida por seus discípulos. A razão da bem-aventurança dos mansos é que eles herdarão a terra. Não se refere a uma herança desta terra como dizem as Testemunhas de Jeová. Na verdade é uma citação do Salmo 37.11, que diz a mesma coisa e refere-se a viver na terra prometida, dada por Deus ao seu povo. Os mansos são os verdadeiros herdeiros de Deus, vivem nesta terra que é do Senhor, como peregrinos (Hb 11.37), e são cidadãos do Céu (2 Co 5.1). 
  • Os que têm fome e sede de justiça (v.6). A fome e a sede são dois desejos vitais do ser humano. Alguém que não os tem, certamente não está bem. Da mesma forma é o desejo de justiça, para um verdadeiro discípulo de Cristo. Justiça neste texto não significa punição a criminosos ou vingança, como muitos imaginam. A palavra grega traduzida por justiça é "dikaiosyne" que significa agir corretamente. Então, Jesus está dizendo que são bem aventurados os que têm fome e sede de agir corretamente, segundo os padrões de Deus. 
  • Os misericordiosos (v.7). A palavra misericórdia em grego é “eleos”. Significa compaixão, beneficência, preocupação com a dor e a necessidade do próximo. Temos também o grego “eusphlanchnos”, que significa literalmente “vísceras gentis”, que é traduzido por “misericordiosos” (Ef 4.32). Isto porque, os gregos consideravam o intestino (sphlanchna) como o local onde se originavam as emoções mais fortes. Os judeus também acreditavam que os sentimentos de compaixão, afeição e solidariedade tinha origem nas vísceras. Por isso, encontramos em vários textos a expressão “moveu-se de íntima compaixão” (Gr. sphlanchnizomai).

 

A palavra portuguesa misericórdia vem da junção de duas palavras latinas: miseratio, derivada de miserere que significa “compaixão“, e “cordis” que significa “coração”. Sendo assim, a idéia de misericórdia em latim é “coração compassivo”. A misericórdia é um dos atributos comunicáveis de Deus. Em vários textos do Antigo Testamento é dito que Deus é misericordioso e que as suas misericórdias não têm fim. (Ex.34.6; Sl 100.5; Sl 103.4,8; Lm 3.22). Portanto, um verdadeiro discípulo de Cristo, que nasceu de novo, é misericordioso.

 

  • Os limpos de coração (V.8). A palavra grega traduzida por “limpos” é “katharos”, que significa sem mancha, limpo, imaculado, puro. Esta palavra era usada para descrever limpeza física, pureza cerimonial ou limpeza ética. Jesus a usou neste último sentido, referindo-se à pureza do coração pelo pecado. O sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo pecado (1 Jo 1.7). A Palavra de Deus de Deus também limpa-nos do pecado, pois nos conduz ao arrependimento (Jo 15.3). 
  • Os pacificadores (v.9). Pacificadores são aqueles que vivem em paz e a promovem. Tanto a palavra hebraica “Shalom”, quanto o grego “eirene” traduzidos por paz, significam não apenas ausência de conflitos, mas completo bem estar. Os judeus cumprimentam-se com “shalom”, desejando perfeita saúde, segurança, tranquilidade, prosperidade e ausência de discórdia ao seu próximo. Deus, o Pai, é chamado o Deus da paz (Hb 13:20); Jesus é chamado de Príncipe da paz (Is 9.6); A paz também é uma das virtudes do Fruto do Espírito Santo. A paz na Bíblia é um estado de perfeita harmonia com Deus e, consequentemente, consigo mesmo e com o próximo. Paulo diz que após termos sido justificados pela fé, temos paz com Deus, por meio de Jesus Cristo (Rm 5.1). Por isso, os pacificadores são chamados filhos de Deus. 
  • Os perseguidos por causa da justiça (vs. 10-12). A última bem-aventurança destina-se aos perseguidos e caluniados por causa da Justiça. Ser cristão de verdade é andar na contramão do sistema maligno que impera no mundo. Inevitavelmente isso nos coloca em confronto com o mundo e gera terríveis perseguições por parte de governos, religiões e, principalmente, pelo inimigo. Tanto Jesus como os seus discípulos foram terrivelmente perseguidos. Jesus foi perseguido pelas autoridades judaicas. A Igreja Primitiva também foi perseguida, inicialmente, pelos judeus. Depois foi brutalmente perseguida pelo império romano, que tentou exterminá-la, praticando as mais terríveis atrocidades. Depois, com a mistura entre a Igreja e o Império romano  advento dos papas, logo veio a perseguição religiosa da Igreja Católica contra os verdadeiros cristãos. Posteriormente veio o comunismo, o islamismo e outros, que empreenderam grandes perseguições à Igreja de Cristo. Mas, os perseguidos por causa da justiça seguem triunfantes e bem-aventurados. Grande será a sua recompensa nos céus. 

 

Para entrar no Reino de Deus, primeiro é preciso nascer de novo, "da água e Espírito", como disse Jesus a Nicodemos (Jo 3.3-5). Somente os que nasceram de novo e foram transformados terão em seu caráter estas qualidades. a humildade, o quebrantamento, os atos de misericórdia, o desejo ardente de fazer o que é correto, a pureza de coração, o empenho pela paz e a resiliência ante a perseguição, provam que a pessoa foi transformada pelo poder do Espírito Santo. Estas bem-aventuranças são as características inerentes a um autêntico cristão. 

Deus te abençoe! 

Pb. Weliano Pires

São Carlos, SP.

Comentários:

Veja também