Portal Sal da Terra

Notícias Economia

Magazine Luiza fecha 1º trimestre com prejuízo de R$ 161,3 milhões

Magazine Luiza fecha 1º trimestre com prejuízo de R$ 161,3 milhões
Reprodução
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O Magazine Luiza anunciou aos investidores na segunda-feira 16 os resultados do primeiro trimestre de 2022. O comunicado ao mercado apresentou prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões, em razão do aumento de despesas financeiras no período, segundo o grupo de varejo.

Dessa forma, o Magazine Luiza fica distante do resultado alcançado no mesmo período de 2021, quando havia obtido lucro líquido de R$ 258,6 milhões.

De acordo com o balanço do trimestre, as despesas financeiras aumentaram em 148% no período. O prejuízo líquido ajustado, desconsiderando efeitos não recorrentes, foi de R$ 98,8 milhões, em comparação com o resultado positivo de R$ 81,5 milhões em 2021.

A receita líquida da varejista avançou 6% no comparativo trimestral, para R$ 8,76 bilhões. Já as vendas totais, que incluem lojas físicas e o comércio eletrônico, cresceram 13% entre janeiro e março, somando R$ 14,12 bilhões.

O grupo celebrou os resultados com a plataforma de marketplace, com aumento de vendas de 50% no período. O desempenho, no entanto, desacelerou, na comparação com os 98% de crescimento no mesmo período de 2021.

A atividade em torno do comércio eletrônico se consolidou no período, ampliando sua participação nas vendas totais do grupo para 72%. No primeiro trimestre do ano passado, essa fatia era de 70%.

Já as vendas de produtos próprios da empresa avançaram 3% no primeiro trimestre de 2022, contra 122% de elevação no mesmo período do ano passado.

Por sua vez, as vendas nas lojas físicas apresentaram queda de 3% no comparativo trimestral, enquanto no mesmo período de 2021 as perdas haviam sido de 0,5%. Já as vendas totais de lojas físicas subiram 6%, contra 4% de alta entre janeiro e março do ano passado.

Segundo o relatório do trimestre, o Magazine Luiza tem atualmente 1.477 lojas físicas no país, enquanto a área total de vendas cresceu 7,3%, para 719,1 mil metros quadrados.

FONTE/CRÉDITOS: Revista Oeste

Veja também