Portal Sal da Terra

Notícias Economia

“Está entrando investimento no Brasil em um nível recorde”, concluiu presidente do BID

Mauricio Claver-Carone vê economia brasileira atraente para investidores estrangeiros e uma opção em meio à crise na China

“Está entrando investimento no Brasil em um nível recorde”, concluiu presidente do BID
Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Enquanto a economia mundial sofre na saída dos anos de pandemia e, principalmente, pelos efeitos da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, o vigor do real no Brasil desponta como uma exceção. Um dos adeptos desta visão é Mauricio Claver-Carone, presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Em entrevista à CNN Brasil, o executivo norte-americano disse que o real é atualmente a moeda mais subvalorizada do mundo. Claver-Carone ainda afirmou que os investidores estrangeiros estão confiantes nos negócios no Brasil neste momento.

“A inflação está em todas as partes do mundo, e os investidores estão avaliando o risco, mas com confiança. Estão confiantes também que o real é a moeda mais subvalorizada no mundo inteiro hoje em dia”, declarou o presidente do BID.

 

Mauricio Claver-Carone veio ao país para participar do Brazil Investment Forum, um dos principais eventos de investimentos estrangeiros da América Latina. O executivo ainda pontuou que a economia brasileira surge como opção em momento de dificuldades na China.

“A economia está crescendo, estão acontecendo novas inclusões no mercado. O que estamos vendo agora é uma derrocada da China e uma ascensão do Brasil. Pela primeira vez nas nossas vidas, estamos vendo o dinheiro saindo da China e entrando no Brasil, um destaque nos mercados emergentes, nos quais os chineses são referência”, opinou.

“Está entrando investimento no Brasil em um nível recorde”, concluiu o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Veja abaixo as opiniões do presidente do BID sobre a economia brasileira:

FONTE/CRÉDITOS: Revista Oeste

Veja também