Portal Sal da Terra

Notícias Política

Deputado propõe punir institutos que errarem pesquisas

Projeto prevê multa por levantamentos eleitorais com resultado diferente do das eleições

Deputado propõe punir institutos que errarem pesquisas
Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O deputado federal Bibo Nunes (PL-RS) apresentou à Câmara dos Deputados, na segunda-feira 27, um projeto de lei propondo multar institutos de pesquisa que apresentarem levantamentos com intenções de voto diferentes do resultado das eleições. O valor proposto para a penalidade chega a R$ 5 milhões.

No projeto, Nunes ainda propõe a perda “imediata” do registro do instituto no Tribunal Superior Eleitoral e o impedimento do estatístico responsável pela pesquisa de atuar em institutos próprios ou de terceiros por, no mínimo, oito anos.

O projeto agora aguarda despacho do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Segundo o documento, o principal objetivo é “estabelecer uma melhor qualidade dos serviços prestados pelos institutos de pesquisa”.

O deputado afirmou que “é necessário aprimorar a amostra, o período, os questionamentos e os outros instrumentos utilizados pelos institutos no desenvolvimento de suas atividades”. “O eleitor tem o sublime direito de receber informações o mais fidedignas possível”, completou.

Fábrica de pesquisas

A reportagem de Silvio Navarro publicada na edição 96 da Revista Oeste questiona de onde vêm e a que interesses servem as pesquisas que inundam o noticiário indicando quem será o próximo presidente.

Oeste já abordava a multiplicação de pesquisas eleitorais, algumas com disparidades gritantes, replicadas à exaustão pela imprensa. Com isso, o brasileiro acostumou-se a acordar ao menos uma vez por semana com uma manchete indicando quem deverá ser o próximo presidente da República. Mas qual é a explicação para essa usina de sondagens eleitorais? Há algumas respostas, indica Navarro.

FONTE/CRÉDITOS: Revista Oeste

Veja também